FACEBOOK

segunda-feira, 25 de julho de 2016

VOCÊ ENERGIZA TUDO AQUILO QUE DÁ ATENÇÃO


Somos criaturas na face da terra capazes de mudar nossa biologia pelo o que pensamos e sentimos!
 
O funcionamento de nossas células está diretamente ligado aos pensamentos que criamos, sendo constantemente modificados por eles.

A qualidade do funcionamento de nossas células é diretamente proporcional a qualidade das ondas de pensamentos que criamos.

E a qualidade das ondas de pensamentos que criamos está ligado a eles se forem produzidos por baseados no medo, ou no amor.

Se foi produzida baseada no medo, foi produzida pelo ego; suas ondas são baixas e distorcem as ondas harmônicas que entram em contato.

Se foi produzida baseada no amor, então foi produzida por um ego subjugado pela auto-aceitação divina, alinhado à produção de energia magnética do coração, servindo somente à essas ondas cardíacas e sendo instruído pela consciência superior.

Um surto de depressão, por exemplo, pode arrasar seu sistema imunológico; apaixonar-se, ao contrário, pode fortificá-lo tremendamente.
A alegria e a realização nos mantém saudáveis e prolongam a vida.

A recordação de uma situação estressante, que não passa de um fio de pensamento, libera o mesmo fluxo de hormônios destrutivos que o estresse.

Quem está deprimido por causa da perda de um emprego, projeta tristeza por toda parte no corpo a produção de neurotransmissores por parte do cérebro é reduzido, o nível de hormônios baixa, o ciclo de sono é interrompido, os receptores neuropeptídicos na superfície externa das células da pele tornam-se distorcidos, as plaquetas sanguíneas ficam mais viscosas e mais propensas a formar grumos e até suas lágrimas contêm traços químicos diferentes das lágrimas de alegria.

A boa notícia é que todo este perfil bioquímico será drasticamente alterado quando a pessoa mudar o seu foco de atenção e a fonte de produção de suas ondas de pensamento, permitindo que sua consciência superior opere em seu sistema através do amor, usando o ego somente como o seu instrumento de apoio.

Acessar a consciência superior e alia-la às ondas de energia cardíaca, para manifestar o funcionamento e a imunidade biológica que realmente você deseja ter, é o primeiro passo para começar a refinar e purificar a saúde em todos os seus 4 corpos.

Você quer saber como esta seu corpo hoje? 
Lembre-se então do que pensou ontem!

Quer saber como estará seu corpo amanhã? 
Então olhe seus pensamentos hoje!

Lembre-se:

Ou você abre seu coração agora, ou algum cardiologista o fará por você!

Deepak Chopra

quinta-feira, 21 de julho de 2016

Aprenda a arte de falar sem perder energia


Pense no que vai dizer antes de abrir a boca. 
Seja breve e preciso, já que cada vez que deixa sair uma palavra, deixa sair uma parte 
do seu Chi (energia). Assim, aprenderá a desenvolver a arte de falar sem perder energia.

Nunca faça promessas que não possa cumprir. 
Não se queixe, nem utilize palavras que projetem imagens negativas, porque se reproduzirá ao seu redor tudo o que tenha fabricado com as suas palavras carregadas de Chi.

Se não tem nada de bom, verdadeiro e útil a dizer, é melhor não dizer nada. 
Aprenda a ser como um espelho: 
observe e reflita a energia. 
O Universo é o melhor exemplo de um espelho que a natureza nos deu, porque aceita, sem condições, os nossos pensamentos, emoções, palavras e ações, e envia-nos o reflexo da nossa própria energia através das diferentes circunstâncias que se apresentam nas nossas vidas.

Aprenda a arte de falar sem perder energia

Se se identifica com o êxito, terá êxito. 
Se se identifica com o fracasso, terá fracasso. 
Assim, podemos observar que as circunstâncias que vivemos são simplesmente manifestações externas do conteúdo da nossa conversa interna. 
Aprenda a ser como o universo, escutando e reflectindo a energia sem emoções densas e sem preconceitos.

Porque, sendo como um espelho, com o poder mental tranquilo e em silêncio, sem lhe dar oportunidade de se impor com as suas opiniões pessoais, e evitando reações emocionais excessivas, tem oportunidade de uma comunicação sincera e fluída.

Não se dê demasiada importância, e seja humilde, pois quanto mais se mostra superior, inteligente e prepotente, mais se torna prisioneiro da sua própria imagem e vive num mundo de tensão e ilusões. 
Seja discreto, preserve a sua vida íntima.
Desta forma libertar-se-á da opinião dos outros e terá uma vida tranquila e benevolente invisível, misteriosa, indefinível, insondável como o TAO.
 

Não entre em competição com os demais, 
a terra que nos nutre dá-nos o necessário. 
Ajude o próximo a perceber as suas próprias virtudes e qualidades, a brilhar. 
O espírito competitivo faz com que o ego cresça e, inevitavelmente, crie conflitos. 
Tenha confiança em si mesmo. 
Preserve a sua paz interior, evitando entrar na provação e nas trapaças dos outros. 
Não se comprometa facilmente, agindo de maneira precipitada, sem ter consciência profunda da situação.

Tenha um momento de silêncio interno para considerar tudo que se apresenta e só então tome uma decisão. Assim desenvolverá a confiança em si mesmo e a Sabedoria. 
Se realmente há algo que não sabe, ou para que não tenha resposta, aceite o fato. Não saber é muito incomodo para o ego, porque ele gosta de saber tudo, ter sempre razão e dar a sua opinião muito pessoal. Mas, na realidade, o ego nada sabe, simplesmente faz acreditar que sabe.

Evite julgar ou criticar. 
O TAO é imparcial nos seus juízos: 
não critica ninguém, tem uma compaixão infinita e não conhece a dualidade. 
Cada vez que julga alguém, a única coisa que faz é expressar a sua opinião pessoal, e isso é uma perda de energia, é puro ruído. Julgar é uma maneira de esconder as nossas próprias fraquezas.

O Sábio tolera tudo sem dizer uma palavra. 
Tudo o que o incomoda nos outros é uma projeção do que não venceu em si mesmo. 
Deixe que cada um resolva os seus problemas e concentre a sua energia na sua própria vida. 
Ocupe-se de si mesmo, não se defenda. 
Quando tenta defender-se, está a dar demasiada importância às palavras dos outros, a dar mais força à agressão deles.

Se aceita não se defender, mostra que as opiniões dos demais não o afetam, que são simplesmente opiniões, e que não necessita de os convencer para ser feliz. 
O seu silêncio interno torna-o impassível. Faça uso regular do silêncio para educar o seu ego, que tem o mau costume de falar o tempo todo.

Pratique a arte de não falar. 
Tome algumas horas para se abster de falar. 
Este é um exercício excelente para conhecer e aprender o universo do TAO ilimitado, em vez de tentar explicar o que é o TAO.


Progressivamente desenvolverá a arte de falar sem falar, e a sua verdadeira natureza interna substituirá a sua personalidade artificial, deixando aparecer a luz do seu coração e o poder da sabedoria do silêncio.

Graças a essa força, atrairá para si tudo o que necessita para a sua própria realização e completa libertação. 
Porém, tem que ter cuidado para que o ego não se infiltre… 
O Poder permanece quando o ego se mantém tranquilo e em silêncio. 
Se o ego se impõe e abusa desse Poder, este converter-se-á num veneno, que o envenenará rapidamente.

Fique em silêncio, cultive o seu próprio poder interno. Respeite a vida de tudo o que existe no mundo. 
Não force, manipule ou controle o próximo. Converta-se no seu próprio Mestre e deixe os demais serem o que têm a capacidade de ser. Por outras palavras, viva seguindo a via sagrada do TAO.

Significado TAO
A palavra chinesa Tao significa literalmente caminho, via. Assim, Tao é, essencialmente, um princípio de ordem.

O Taoismo é, por sua vez, uma religião chinesa que cultua a natureza acreditando que da sua harmonia resulta o equilíbrio da vida. Essa filosofia, que remonta ao século III ou IV a.C, teve Lao Tzu como seu precursor.

Texto Taoísta

terça-feira, 19 de julho de 2016

Aprendendo nas quedas


Por que será que nos lamentamos tanto quando nos decepcionamos, perdemos e erramos?
O mundo não acaba quando nos enganamos; 
ele muda, talvez, de direção. Mas precisamos tirar partido dos nossos erros.

Por que tudo teria que ser correto, 
coerente, sem falhas?
As quedas fazem parte da vida e do nosso aprendizado dela. Que dói, dói. 
Ah! Isso não posso negar! 
Dói no orgulho, principalmente. 
E quanto mais gente envolvida, mais nosso orgulho dói. Portanto, o humilhante não é cair, mas permanecer no chão enquanto a vida continua seu curso.

O problema é que julgamos o mundo segundo nossa própria maneira de olhar e nos esquecemos que existem milhões e milhões de olhares diferentes do nosso.

Mas não está obrigatoriamente errado quem pensa diferente da gente só porque pensa diferente. 
E nem obrigatoriamente certo. Todo mundo é livre de ver e tirar suas próprias conclusões sobre a vida e sobre o mundo. Às vezes acertamos, outras erramos. E somos normais assim.

Então, numa discussão, numa briga, pare um segundo e pense: "e se eu estiver errado?" 
É uma possibilidade na qual raramente queremos pensar.

Nosso "eu" nos cega muitas vezes. 
Nosso ciúme, nosso orgulho e até, por que não, nosso amor. Não vemos o lado do outro e nem queremos ver. E somos assim, muitas vezes injustos tanto com o outro quanto com a gente mesmo, já que nos recusamos a oportunidade de aprender alguma coisa com alguém.

E é por que tanta gente se mantém nessa posição que existem desavenças, guerras, separações. 
Ninguém cede e as pessoas acabam ficando sozinhas.

E de que adianta ter sempre razão, saber de tudo, se no fim o que nos resta é a solidão? 
Vida é partilha. E não há partilha sem humildade, 
sem generosidade, sem amor no coração.

Na escola, só aprendemos porque somos conscientes de que estamos lá porque não sabemos ainda; na vida é exatamente a mesma coisa. 
Se nos fecharmos, se fecharmos nossa alma e nosso coração, nada vai entrar. E será que conseguiremos nos bastar a nós mesmos? 
Eu duvido.

Não andamos em cordas bambas o tempo todo, mas às vezes é o único meio de atravessar. 
Somos bem mais resistentes do que julgamos; a própria vida nos ensina a sobreviver, viver sobre tudo e sobretudo.

Nunca duvide do seu poder de sobrevivência! 
Se você duvida, cai. Aprenda com o apóstolo Pedro que, enquanto acreditou, andou sobre o mar, mas começou a afundar quando sentiu medo.

Então, afundar ou andar sobre as águas? 
Depende de nós, depende de cada um em particular. Podemos nos unir em força na oração para ajudar alguém, mas só esse alguém pode decidir a ter fé, força e coragem para continuar essa maravilhosa jornada da vida.

Letícia Thompson

sexta-feira, 8 de julho de 2016

Sintomas do Despertar Espiritual

São tempos de mudanças. 
Vivenciamos a transição planetária, mas sobretudo uma transição pessoal onde saímos de um modelo de vida velho para nos posicionarmos perante uma nova realidade.

Apesar de toda a tempestade pela qual o mundo tem passado, sabe-se que essas convulsões são necessárias para o despertar individual e coletivo da humanidade. Despertar espiritual, principalmente. 
Mas, o que caracteriza esse despertar? 
Como saber se estamos passando por esse processo? Afinal, mesmo em todo esse processo de transição, ainda há aqueles que dormem o sono da ilusão.

O que é o despertar espiritual?

Quando estamos dormindo nosso corpo relaxa de tal forma que nossas funções fisiológicas reduzem o ritmo com a finalidade de descansar o corpo. 
Porém, esse sono tem um tempo limite, do contrário, será prejudicial para o organismo.

Como tudo na vida, precisa de equilíbrio. 
E quando o sono acaba despertamos e damos seguimento à nossa rotina, as funções do corpo voltam ao normal e estaremos mais dispostos.

No despertar espiritual também acordamos de um sono. Mas do sono da ilusão ou da ignorância. 
Por muito tempo desconhecemos o verdadeiro sentido de estarmos “aqui”. Tateamos ignorantes e mergulhados em emoções destrutivas como orgulho, egoísmo, ciúme, inveja…

O despertar espiritual ocorre simultaneamente ao moral. Começam os questionamentos, a sensação profunda e inexplicável de não pertencer mais a este mundo, sonhos intensos, solidão e afastamento social, dentre outros.

Vejamos com mais atenção cada um desses "sintomas” de despertar espiritual. 
Quem sabe conhecendo-os seja mais fácil lidar com eles e afastar o medo que a maioria sente. 
Medo esse que muitas vezes acaba por paralisá-los.
Solidão e afastamento social

Não se trata de “ser anti social”, de não gostar da companhia de outras pessoas. Muitas vezes você era bem relacionado, estava sempre entre amigos e grupos, mas de uns tempos pra cá não sente mais prazer em fazer as mesmas coisas, ter as mesmas conversas, estar nos mesmos lugares. 
Por isso se afasta. Por não se sentir mais parte daquele “mundo”.

As pessoas dizem que você mudou, que está deprimido, que “está com problemas”. 
Mas você não se sente assim. Pelo contrário, se sente bem sozinho. Sente-se bem consigo mesmo. 
E nesse processo de solidão aprende a gostar de coisas que antes não dava importância. 
A meditação e o “falar consigo mesmo” podem se tornar comuns. Você se volta para si.

Questionamentos diversos

Você passa a questionar tudo que antes parecia uma verdade incontestável. Questiona as religiões, os modelos de vida social, as opiniões dos outros, as próprias opiniões. Sua mente fervilha de dúvidas e isso faz com que você se expanda, busque novos conhecimentos, novos caminhos. 
E ao encontrá-los, descobre que todos levam a um único destino: a evolução de Ser.
Emoções à flor da pele

Emoções de todos os tipos. 
Tornamo-nos mais sensíveis à sentimentos de tristeza, raiva, revolta, alegria, contentamento, dentre outros. Vivemos todos com muita intensidade, mas ao mesmo tempo conseguimos separá-los de nós. 
O que quero dizer é que apesar de senti-las intensamente, conseguimos entender que não estão presas a nós e que poderemos dominá-las.

Eis uma grande diferença do desperto para o não desperto: não é a ausência das emoções, mas o controle sobre elas. E quando estamos nesse processo de despertar, passamos a senti-las com muita frequência até aprender que elas não nos dominam.

Muitos não entendem e acabam se martirizando por isso. Mas não se preocupe, afinal, só ascenderemos para nossa luz quando conhecermos e vencermos nossa escuridão.

Sensação de estar longe de “casa”

Esse “sintoma” só pode ser compreendido por quem o tem. É uma estranha e inexplicável certeza de que há outro lugar, outra casa. E a vontade de retornar a ela é marcante. Não se sabe de onde vem essa saudade, mas ela cresce à medida que despertamos. 
Minha opinião é que essa “casa” somos nós mesmos. Sentimos saudade de voltar para nossa casa interior depois de viver tanto tempo fora dela.

Muita gente pode interpretar isso de forma negativa, como se a pessoa sentisse vontade de morrer. 
Mas não se trata da morte física, mas de uma morte moral e espiritual. Isso é típico da transição; abandona-se o velho para se abrir para a nova realidade. E enquanto muitos pensam que essa Nova Era é lá fora, eu vos digo que é “aqui dentro”.

Desejo de libertar-se

Uma grande necessidade de mudar tudo. 
Libertar-se de padrões antigos, mudar de casa, de emprego, de hábitos. Principalmente aqueles que são restritivos, inclusive a companhia de pessoas com hábitos tóxicos. Esse desejo de libertação vem inclusive com uma vontade de se encontrar e de encontrar missão na sua vida. É uma busca por sentido.

Esses são apenas alguns dos sintomas do despertar espiritual. Como cada pessoa é um Universo, pode ser que alguns passem por todas essas situações, assim como outros vivenciem apenas algumas. 
O mais importante é não ter medo e buscar saber mais sobre o que acontece. Quando saímos da ignorância o medo desaparece, por isso, busque todas as informações possíveis sobre o assunto.

E, lembre-se que esse despertar não é religioso. 
Ele é divino. Não importa qual sua escolha religiosa, um dia, você despertará para a verdadeira fé, que é a de que somos seres eternos, divinos e feitos de energia. Foi para isso que fomos criados.

Lidiane Franqui

terça-feira, 5 de julho de 2016

Ervas e plantas que protegem de energias negativas


Que as energias negativas estão por aí à espreita do primeiro que descuidar, ninguém tem dúvida. 
Pessoas totalmente sintonizadas com baixas energias sugam nossas forças e, além de fazer mal para elas, nos colocam em situações que comprometem nossa saúde tanto física quanto espiritual.

Sabemos que a proteção para as energias negativas vão desde a orações, amuletos (pra quem acredita), pensamentos positivos, etc. 
Como se proteger vai depender de cada um e na natureza não falta opções.Ervas e plantas que protegem de energias negativas

Preparamos neste texto algumas dicas de ervas e plantas que protegem de energias negativas. 
Tenho certeza que depois dessas dicas “urucubaca” nenhuma te pega de surpresa.


Alecrim
O alecrim é usado para afastar o famoso 
“olho gordo“. Os gregos utilizam coroas dessa erva para simbolizar a imortalidade. Ele eleva a vibração das pessoas e também dos ambientes, absorvendo as energias negativas, afastando as fofocas e a inveja.

Uma dica interessante para o alecrim: 
coloque um raminho da erva debaixo do travesseiro para afastar maus sonhos e pensamentos ruins.


Arruda
Assim como o alecrim a arruda é poderosíssima para combater a inveja e o mau olhado. É uma planta com alto poder vibracional. 
Quando a energia do ambiente não é boa ela absorve essa energia e não se desenvolve bem. 
Por isso, muitas pessoas a colocam em casa como forma de proteger o ambiente, afinal, ela retira do mesmo as energias tóxicas e afasta a inveja.


Comigo-ninguém-pode
O nome já é bem sugestivo e sua fama como contra as energias negativas vem da Colômbia e da Costa Rica. Além disso, é uma linda planta que serve para decorar os ambientes deixando-os bonitos e protegidos. 

Mas cuidado: comigo-ninguém-pode é uma planta muito tóxica. Deve ser mantida longe de crianças e animais de estimação.


Pimenta
A pimenta tem vibração estimulante, é afrodisíaca e tem o poder de tonificar os ambientes. Ela combate as energias ariscas e pesadas.


Manjericão
Além de ser uma erva deliciosa, o manjericão acalma a mente e traz paz de espírito para todos. Além disso, afasta os pensamentos negativos, acalma as tensões e como chá é sedativo, anti-reumático, dentre outros benefícios.


Sal grosso
Apesar de não ser erva nem planta, impossível falar de proteção contra energias negativas sem citar o poderoso sal grosso. Ele absorver a negatividade do ambiente e a melhor forma de utilizá-lo é absorvido em um copo de água. Aconselha-se que seja sempre renovado para que a energia tóxica absorvida não volte para o ambiente.

Gostaram das dicas? 
É sempre bom se proteger e combater a negatividade em casa e nas relações não é mesmo?
Lidiane Franqui




terça-feira, 28 de junho de 2016

As tempestades emocionais trazem algo novo


O que somos é determinado pelas 

tempestades que já vivemos. 

Nós tendemos a subestimar o aprendizado das experiências mais duras, sem pararmos para pensar na grande mudança positiva que elas podem causar em nossas vidas, e nos concentramos apenas nos aspectos negativos.
Sentimos falta de como éramos antes de termos passado por coisas desagradáveis, sem percebermos que é inevitável ter esse tipo de experiência na vida, das quais podemos sair derrotados ou fortalecidos.

Na verdade, são os momentos difíceis, as grandes decepções e os acontecimentos desagradáveis, que revelam a nossa verdadeira natureza e que nos levam a sermos fortes e resilientes. 
Coincidência ou não, às vezes essa tempestade pela qual você passou lhe trouxe de volta à vida. 
De forma paradoxal e sem que você estivesse à espera, depois de se recuperar de um ferimento e uma grande dor, você estará mais calmo do que nunca.

“A verdadeira dor, a que nos faz sofrer profundamente, às vezes torna sério e constante até um homem que não reflete; o espírito pobre se torna mais inteligente após uma dor.”
Fiódor Dostoiévski

As tempestades que nos transformam

Se a vida fosse calma e fácil, não seria vida. 
Se todas as pessoas do mundo fossem iguais e quisessem a mesma coisa, os relacionamentos humanos seriam vazios e não existiria motivação para lutar e superar. 
Mesmo imaginando uma sociedade cheia de justiça e igualdade, algo maravilhoso que todos ansiamos… continuaríamos a ter conflitos.

A instabilidade está na própria natureza que nos rodeia e na própria natureza dos seres humanos. 
Não saber tolerar a ambiguidade, a incerteza e o conflito é um composto natural para sofrer de distúrbios psicológicos. O mito da estabilidade não é nada mais que isso: um mito.

Se estivermos cientes deste fato, estaremos preparados e cientes de que podem ocorrer mudanças bruscas e acontecimentos. 
Preparados e cientes, nunca treinados… 
é aí que reside a beleza e a variabilidade dos seres humanos; na forma como se desenvolvem perante os acontecimentos bons ou ruins.


A metáfora do Kintsugi

Às vezes, quando passamos por uma situação ou época dolorosa, achamos que o mais conveniente é recolher nossos pedacinhos partidos da melhor maneira possível, acreditando que sempre teremos que esconder as nossas próprias cicatrizes.

Queremos a todo custo sair ilesos da dor pela qual acabamos de passar, e associamos o ato de virar a página e ser forte com o fato de não mostrar sinais de fraqueza. 
Ninguém pode intuir que um dia fomos fracos, que nosso coração foi partido em mil pedaços… 
isso pode transmitir a sensação da nossa fragilidade e de que podem nos machucar mais facilmente.

A cultura ocidental tem muito a aprender com o que as filosofias orientais nos ensinam nesse sentido: 
Não há motivo para ocultar a dor, não devemos associar a falta de dor com a conservação da auto estima. Ter passado por uma situação difícil e tê-la superado é um sinal de orgulho e de beleza.

Quando os japoneses reparam objetos quebrados, eles exaltam a zona danificada preenchendo as fissuras com ouro. Eles acreditam que quando um objeto sofre algum dano e tem uma história, ele se torna mais bonito.

A arte tradicional japonesa de reparar a cerâmica quebrada passando uma cola forte e logo depois polvilhando pó de ouro chama-se Kingtsugi. 
O resultado é que a cerâmica não só é reparada, como também fica mais forte do que a peça original.

Em vez de tentar esconder os defeitos e as fissuras, eles são acentuados e celebrados, já que agora foram convertidos na parte mais forte da peça. 
Kintsukuroi é o termo japonês que designa a arte de reparar com pó de ouro ou prata, entendendo que o objeto é o mais belo pode ter sido modificado.

A ideia é que quando algo valioso se quebra, 
uma ótima estratégia a seguir é não ocultar a sua fragilidade ou a sua imperfeição, e sim repará-la com algo que substitua o ouro: força, trabalho, virtude… 
A prova da imperfeição e da fragilidade, mas também da resiliência e da capacidade de se recuperar.



As grandes tempestades emocionais trazem algo novo
Não podemos saber o que uma tempestade emocional representa na nossa vida até sairmos completamente dela. Inclusive existem tempestades que aparecem repetidas vezes e que não desaparecem por completo até conseguirmos lidar com ela e encontrar um abrigo, assumindo que as nuvens de chuva terão a mesma proporção que os raios do sol.

Mais uma vez a natureza nos dá um verdadeiro ensinamento: nada é imutável e imperecível, não importa o quanto algo esteja calmo e bonito. 
As mudanças são a única regra que parece se cumprir sempre. Desde lá de cima até aqui em baixo.

“Quando a tempestade tiver passado, mal te lembrarás de ter conseguido atravessá-la, de ter conseguido sobreviver. Nem sequer terás a certeza de a tormenta ter realmente chegado ao fim. 
Mas uma coisa é certa. Quando saíres da tempestade já não serás a mesma pessoa. 
Só assim as tempestades fazem sentido.”
Haruki Murakami


Então, da próxima vez que vier uma tempestade, é normal que tenha medo… 
mas tente manter-se de cabeça erguida. 
Se você cair e se machucar, assuma essa dor não como uma atitude passiva ou masoquista, mas faça isso de forma consciente e seletiva.

São os pequenos detalhes que podem revelar muitas coisas sobre você que poderão ser úteis adiante. Talvez todas essas pequenas contusões tenham mostrado o que e quem está fazendo mal a você.

No final das contas, existem tempestades que são inevitáveis nessa vida. Então uma vez que estiver passando por uma, deixe-se molhar e talvez você sairá com as ideias mais claras. Ou diretamente com umas novas ideias que lhe devolvam à vida.

A mente é maravilhosa

segunda-feira, 27 de junho de 2016

Viemos para nos aperfeiçoar e nos tornarmos pessoas melhores


Viemos para nos aperfeiçoar na “arte de viver” e nos tornarmos pessoas melhores.

Pelo menos uma parte da humanidade sente vontade (ou necessidade) de melhorar. 
Tornar-se uma pessoa melhor, mais amável, divertida. Ou responsável, organizada, focada, sonhadora. 
O motivo pode ser qualquer um, o fato é que todos temos algo para mudar e ansiamos por isso.

Mas, melhorar-se requer antes de tudo se conhecer e esse sim é um empreendimento longo, que exige paciência e muita coragem. Podemos começar aos poucos, identificando aquilo em nós que mais incomoda e tecer reflexões a respeito disso.

Não precisa se forçar a melhorar, culpar-se quando não conseguir e achar que é a pior pessoa do mundo quando perceber que continua cometendo os mesmos deslizes. O tal “amar a si mesmo” é fundamental porque é justamente nesses momentos que precisamos olhar para nós e ter
compaixão. Entender nossos erros, mas sem anulá-los. Compreender a nós mesmos tal qual fazemos com as pessoas que amamos.


Esses dias estive refletindo sobre o que é uma missão de vida. Acredito firmemente que não estamos neste mundo a toa. Viemos para nos aperfeiçoar na “arte de viver” e nos tornarmos pessoas melhores. 
Os acontecimentos nos levam a esse despertar, cedo ou tarde. Cada um no seu tempo, na sua conjuntura. Mas todos estamos aqui com propósitos.

E quando esse propósito começar a se tornar indispensável, os sinais começam a aparecer. 
Vem de dentro a urgência pelas mudanças. 
A gente pensa, às vezes, que é temporário, mas quando percebe não tem mais volta. 
É como o processo de metamorfose da lagarta. Quando entramos no casulo só há uma forma de sair dele: indo em frente e se transformando.

Todos que se identificam hoje com esse processo podem se sentir perdidos, fora de lugar e assustados. Quando o assunto é a“reforma íntima”
é muito fácil falar, mas a prática é extremamente delicado. 
Exige amor por si, renúncias, foco, fé em Deus (seja qual for o seu) e certeza da temporalidade das coisas.

Quando entramos em processo de transformação pessoal é importantíssimo saber que nada daquilo é permanente. Tudo vai passar. 
As dúvidas, o caos, o medo. E quando passar virão certezas, paz e mais amor.

Não faz muito tempo eu acreditei que meu propósito nessa vida envolvesse principalmente as outras pessoas. A gente sempre acha que se tornar uma pessoa melhor começa por fazer o bem aos outros, envolver-se em trabalhos voluntários e ser bonzinho com todo mundo. Nosso orgulho sempre quer ser o centro das atenções.

Mas pelo menos eu hoje acredito que meu verdadeiro propósito
 é pessoal. 
É comigo o acerto de contas. 
Os reparos serão feitos em mim e não no colega do lado. Os discursos bem preparados são para mim e não para uma plateia. 
A grande transformação virá e será vista talvez por quase ninguém, a não ser eu mesma.

Passamos tempo demais nessa vida alimentando nosso ego, acreditamos que somos “coisa demais“. Até mesmo nossa relação com a divindade é chula quando acreditamos que somos a voz de Deus para a vida do outro e não para a nossa. 
Hoje, o melhor que posso identificar nesses anos já vividos é essa descoberta: 
meu maior empreendimento é me conhecer. Não da boca para fora, mas de verdade.

Hoje sei que só serei feliz, terei plenitude e paz quando de posse do auto conhecimento for capaz de identificar meus pontos falhos e aí sim iniciar os reparos. É trabalho para a vida toda. 
Nunca estaremos terminados, já que somos obra-prima de Deus. Mas quanto mais avançarmos, mais estaremos livres do medo, que é grande rival do amor.

Lidiane Franquis